br en es

Notícias

20/09/2017

Bahia comemora cinco anos do Parque Tecnológico

Edital de seleção para startups será lançado este mês e os laboratórios ‘Living Lab’ e ‘Lab Solar’ serão inaugurados em 2017

Inaugurado em 19 de setembro de 2012, o Parque Tecnológico da Bahia completa cinco anos de criação, desenhando estratégias com base tecnológica para todo estado. A Secretaria da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), gestora do Tecnocentro Bautista Vidal, principal edificação do Parque, celebra este marco para a ciência e pesquisa aplicadas com uma série de ações programadas para os próximos meses, a exemplo do lançamento do edital que vai selecionar 15 novas startups para ingresso na Áity incubadora de empresas.

Com um total de 27 empresas, entre residentes e startups, o Parque conta com atenção especial para as startups em distintas áreas de atuação, como saúde, consultoria administrativa, games, engenharia elétrica e civil, tecnologia da informação, dentre outras. Com lançamento previsto para 28 de setembro, a 3ª rodada do edital 001/2015 da Secti vai ampliar de 14 para 29 o número de startups instaladas no Parque. Entre as empresas residentes, destacam-se a ZCR, a Ericsson, a Topos e a Maqhin, startup graduada em 2014.

Espaço de convergência e integração científica, no qual o poder público, a comunidade acadêmica e o setor empresarial trabalham de forma integrada e cooperativa, o Parque é motivo de orgulho para a Bahia, conforme destaca o coordenador do Tecnocentro, Igor Galvão. “É de extrema importância estar em um espaço de desenvolvimento tecnológico. Esse espaço cria um ambiente cooperativo para o desenvolvimento de projetos e parcerias na Bahia”. O coordenador da Áity, Mário Freitas, conta que o Tecnocentro possui cases de sucesso de notoriedade, inclusive no exterior, como o projeto MOVPAK, uma mochila-skate que se coloca como nova alternativa de transporte.

Desde que assumiu a pasta de tecnologia, em janeiro de 2017, o secretário Vivaldo Mendonça tem atuado em prol do desenvolvimento de projetos de pesquisa em áreas diversas, posicionando nacionalmente o Parque Tecnológico como desenvolvedor de tecnologia de ponta. “Hoje não se fala em desenvolvimento sem falar em inovação e tecnologia, por isso vamos continuar apoiando a inovação e a capacitação tecnológica, fundamentais para a competitividade e o desenvolvimento econômico”, ressalta o secretário ao destacar a qualidade dos centros de pesquisas instalados no Parque Tecnológico da Bahia.

Parcerias

Com a criação do Parque, considerado um marco tecnológico para o estado, importantes parcerias foram firmadas ao longo destes cinco anos, gerando muitas oportunidades na criação de conhecimento, como a instalação do Polo de Inovação Salvador (PIS), do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (Ifba). Esta iniciativa é composta por cinco laboratórios focados, majoritariamente, na área de saúde, equipados com tecnologia de ponta e profissionais com capacidade para desenvolver soluções em diferentes frentes.

Com o Instituto Gonçalo Moniz (Fiocruz) foi criado o Centro para Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde (Cidacs) que desenvolve e difunde pesquisas e informações científicas que servem de base para ações e políticas na área da Saúde. O Cidacs, pela primeira vez, interligou dados de saúde e políticas sociais referentes a mais de 100 milhões de brasileiros em uma única base, sem identificação dos indivíduos.

Perspectivas

Prevista para outubro deste ano, a inauguração do LabSolar, laboratório de certificação  de energia solar, fruto de uma parceria entre Secti, Coelba e Universidade Federal Bahia (UFBA), conta com investimento em torno de R$ 2 milhões, totalmente dotado de equipamentos de pontas, viabilizando mais oportunidades para quem quer trilhar o caminho da pesquisa científica em energias renováveis.

Com o instituto alemão Fraunhofer, conhecido por ser pioneiro no desenvolvimento de software e tecnologia inteligente, o convênio com o Parque Tecnológico perdura de 2012 até os dias atuais, com novos projetos engatilhados, a exemplo do Living Lab (laboratório vivo), previsto para ser inaugurado em dezembro deste ano. Esta unidade vai permitir que novas tecnologias possam ser testadas antes de serem aplicadas, por exemplo, no conceito de cidades inteligentes.

Histórico

O primeiro prédio do Parque Tecnológico da Bahia foi inaugurado pelo secretário Paulo Câmera, ao lado do então governador Jaques Wagner, em 19 de setembro de 2012, numa cerimônia no auditório do Tecnocentro, que à época abrigava apenas 16 instituições, entre empresas âncoras, institutos de pesquisa e universidades.

Localizado na Avenida Luis Viana (Paralela), em Salvador, o prédio possui uma área total de aproximadamente 26.000 M² e foi projetado com o objetivo de abrigar empresas de Tecnologias da Informação e Comunicação, desenvolver pesquisa em bioinformática, biossensores e desenvolvimento de softwares, além de um espaço exclusivo para fomentar a geração de empreendimentos inovadores através da Áity incubadora de empresas.

O edifício do Parque Tecnológico da Bahia recebeu o nome do cientista baiano e primeiro secretário de Ciência e Tecnologia no Brasil, José Walter Bautista Vidal. Em 1969, Bautista foi convidado para criar e assumir a secretaria estadual, deixando um legado de realizações que repercutiu nacional e internacionalmente, ao contribuir para o avanço científico e tecnológico durante quatro décadas. Idealizador do Programa Nacional do Álcool (Pró-Alcool), o físico e engenheiro foi um dos responsáveis pela criação do motor a álcool.